22 de set de 2010

Marie Antoniette – The politics of fashion (Costumes Chronicles) I

Faz um tempo que eu descobri o Charity's Place, um site que se dedica a discutir sobre figurinos de dramas. Eles tem uma publicação online chamada Costume Chronicles. Além de discutir sobre os figurinos, também fazem indicações de filmes e trilhas sonoras. As publicações existem desde 2009 e já estão no sétimo volume.
Eu gostei muito dos artigos e contatei Charity e ela me deu permissão para traduzir os artigos que eu mais achei interessantes e postar aqui. O primeiro deles se encontra no volume 3, Viva Le France!, sobre Maria Antonieta e a moda ditada pela rainha.

It's been a while I discovered the Charity's Place, a site dedicated to discussing costume dramas. They have an online publication called Costume Chronicles. Besides discussing the costumes, are also indications of movies and soundtracks. The publications have been around since 2009 and are already in the seventh volume.
I liked a lot of articles and contacted Charity and she gave me permission to translate the articles I found most interesting and post here. The first is in volume 3, Viva Le France!, about Marie Antoinette and fashion dictated by the queen.

Maria Antonieta - A política de moda (Marie Antoniette – The politics of fashion)
Autora (Author): Katie Slawson

Há uma cena no filme de Sophia Coppola Marie Antoinette em que vemos a jovem Dauphine da França experimentando sapatos e guinchando sobre novos estilos de cabelo e tecidos suntuosos enquanto a canção “I want candy” toca ao fundo. É evidente a natureza superficial e materialista da corte francesa e sua rainha, mas essa imagem de uma garota volúvel jovem, rindo com os amigos enquanto se afoga em champaign e bolos coloridos, é realmente justa? Marie Antonieta foi realmente tão superficial e leviana como o público na época acreditava e a história continuou a defender, ou havia algo mais pensativo atrás de suas roupas? Mais importante ainda, qual o papel que suas variadas opções desempenharam em sua eventual ruína? 
O nome de Maria Antonieta traz consigo muitas histórias diferentes. Algumas delas são verdadeiras e outras não, mas todas elas desempenharam um papel em sua morte, quando muitos desses rumores, não importa quão ultrajantes, foram usados contra ela em seu julgamento. A maioria destas histórias relacionava-se às suas escolhas diferentes de roupas e, ao mesmo tempo em que é estranho pensar que o guarda-roupa pode ser um elemento legítimo para arruinar alguém (não foi, de nenhuma maneira, a única fonte de sua queda), podemos encontrar vestígios ocultados da vida de Maria Antonieta quase logo após sua chegada na França. 
Marie Antonieta viajou oito horas por dia, durante quase um mês para chegar a França, da Áustria, com a idade de quatorze anos. Lá, ela foi despida de toda sua roupa e ritualisticamente colocada em roupas afrancesadas antes de finalmente entrar na corte da França como Dauphine. Assim, pode-se dizer que desde o início de sua vida como Dauphine, sua aparência e a escolha de roupas estaria sob controle rigoroso e desempenharia um papel vital em seus sucessos e fracassos. 
Seu casamento não começou feliz. Enquanto ela e seu marido, Louis-Auguste, estavam em termos amigáveis, Louis era extremamente tímido e mostrou pouco interesse em consumar o casamento, tornando a posição de Maria Antonieta na França precária, pois seu casamento ainda poderia ser anulado se qualquer uma das partes quisesse. Em suas cartas, sua mãe, Maria Theresa, continuamente pressionava a filha, afirmando que ela não estaria segura até se tornar realmente a Dauphine. E assim, já que não havia nenhum herdeiro a caminho e seu casamento era infeliz, Maria Antonieta fez a única coisa que podia para regular sua situação na corte: se ela não poderia ter qualquer poder, ao menos daria a impressão de ter. Apesar de muito jovem, ela tinha plena consciência da política veiculada através do vestuário e sabia muito bem o poder e o domínio que Luís XIV tinha conseguido através do uso de trajes fantásticos muitos anos antes. Por parecerem majestosas, as pessoas começaram a acreditar que era assim. Quando muitos homens entre seu parlamento estavam ameaçando a rebelião, Louis XIV apareceu diante deles em uma peça de caça e botas. Voltaire, o historiador oficial da corte, escreveria mais tarde que essa aparência diante dos homens, vestido de tal maneira e soltando um "ar de superioridade", subjugou as denúncias. 
Tomando a sugestão do grande Rei Sol, Maria Antonieta começou a usar calças masculinas de andar e montar que, não só contribuíram para afirmar seu poder, mas também lhe permitiu participar plenamente nas expedições de caça de seu marido e rei. Além disso, ela encomendou uma pintura magnífica de si mesma em seu novo traje de caça, olhando magistral sobre um cavalo durante a caça. A corte ficou escandalizada e chocada, mas seu marido e rei Louis XV achou deliciosa. Infelizmente, foi sua escolha de usar roupas masculinas que mais tarde iria levar a rumores de que a rainha era lésbica, ao que muitas vezes se referia na época como "o vice-alemão." A pequena Dauphine dificilmente poderia saber disso na época, mas anos antes de sua morte, as sementes de sua queda já estavam sendo plantadas. 
Era do conhecimento da corte de Versalhes que, aparte dar um herdeiro masculino ao trono, a rainha tinha quase nenhuma autoridade. Na verdade, geralmente era a amante do rei que tendia a ter mais poder político que a rainha, além de viver um remoto e muito mais opulento estilo de vida. Louis-Auguste, no entanto, não tinha e nunca teria uma amante em seus 22 anos de casamento com Maria Antonieta. Após a morte de seu pai e do banimento de sua amante Madame Du Barry da corte, Louis-Auguste ascendeu ao trono como Luís XVI. Mas porque não havia nenhum amante para assumir o papel habitual de tendências e festas bizarras, Maria Antonieta assumiu a tarefa de uma só vez ao assumir o papel de rainha e amante. A necessidade de manter essa fachada, ao aparecerem opulentos e poderosos agora era ainda maior, porque, como Maria Antonieta sabia, ela não era nem rainha, nem amante, porque ainda não havia produzido um herdeiro. 
A fim de continuar a dar uma aparência de autoridade, o cabelo de Maria Antonieta cresceu mais em um novo estilo conhecido como o pufe. Não só estes penteados podem servir para dominar qualquer homem na sala, ele também duplicou as declarações políticas, como o pouf à la Belle Poule, que continha uma réplica de um navio francês que ganhou uma grande vitória sobre a Grã-Bretanha na Revolução Americana. Mulheres de toda a França seguiram o exemplo, fazendo declarações com seus penteados altos. Isso provocou vários problemas, no entanto. Em primeiro lugar, imitações do look de Maria Antonieta criaram indignação, porque agora cada atriz (prostituta) e mulher de classe baixa poderiam ficar como ela. A crença no momento não era que as pessoas se parecessem com a rainha, mas sim a rainha parecer uma prostituta. O segundo problema com seu novo penteado era que, durante um tempo de colheitas pobres, o aumento dos preços, e muito pouca comida, um dos ingredientes utilizados no pó para cobrir esses poufs era farinha. As pessoas olhavam para os penteados de Maria Antonieta como se ela estivesse roubando-lhes o pão. 
O vestuário de Maria Antonieta tornou-se mais opulento ao longo dos anos e, embora seja verdade que ela ultrapassou o seu subsídio de vestuário por ano, deve-se levar em consideração que seu orçamento não havia sido ajustado pela inflação. O problema não era tanto o fato de a rainha gastar muito em roupas, mas o fato de que, para isso, ela ignorou completamente o protocolo usual da corte. Numa época em que muitos cortesãos da aristocracia não faziam muita coisa, eles disputavam o direito de simplesmente ficar em seu lugar. Estas posições eram vistas como grandes honras e só eram sempre oferecido ao mais alto ranking de pessoas dentro da corte. Maria Antonieta, no entanto, em sua busca para ser mais uma mulher a la mode em toda a França, começou a patrocinar o popular cabeleireiro Leonard, assim como um comerciante parisiense com o nome de Rose Bertin, que ajudou a incrementar os vestidos. Logo a rainha estava dependendo deles para criar seus conjuntos e, eventualmente, insistiu que a cada manhã eles deveriam apresentar-se em Versalhes para atender suas necessidades. Tal movimento era inimaginável para a corte. Pegando duas pessoas de classe baixa e elevando-as a uma posição tão alta enfureceu os que o viam como o seu direito. O fato de que a rainha estava servindo apenas para burlar as linhas de classe não era apenas considerado inadequado, mas tornaria-se perigoso. 
Finalmente, após muitos anos, Maria Antonieta teve uma filha, seguida, um par de anos mais tarde, pelo herdeiro tão esperado para o trono. Nesse momento, a rainha percebeu que sua extravagância estava causando muita raiva entre o povo. Isto, combinado ao fato de que ela era mãe e agora queria viver uma vida mais privada, casual, a fez escolher vestidos mais elegantes. Ela escolheu para usar a musselina gaulles, que não era muito diferente de uma camisa simples. Uma pintura sua vestida desta forma teve que ser retirada do Salão de Paris devido à indignação que causou. A rainha fez-se olhar como nada mais do que uma ama de leite! 
Há literalmente dezenas de exemplos de Maria Antonieta irritando as pessoas de todas as classes por suas escolhas quanto à moda, mas o ponto principal é que as pessoas prestavam atenção. A rainha queria ser o centro das atenções para afirmar uma sensação de poder e tinha feito isso. Agora todos os olhos estavam sobre ela, e não importava se ela vestia-se de uma maneira condizente com uma rainha ou uma serva, ela nunca seria capaz de agradar a todos. O problema foi que ela tentou servir a todos, mudou de tática, e acabou insultando todos. 
Quando a revolução começou a amadurecer, as escolhas quanto à moda da rainha voltaram para assombrá-la. Suas declarações políticas em seu pouf eram vistos como uma prova de que ela tinha um grande poder sobre o rei e governo e, portanto, foi responsável por grande parte das dificuldades impostas ao povo. Sua escolha de equitação artística foi vista como prova de uma vida cheia de depravação sexual, e sua opção de um vestuário casual mais tarde em seu reinado apenas ajudou a fazer as pessoas se sentirem como se fosse um deles. E se ela era de fato um deles - se os monarcas fossem realmente como as pessoas comuns - então o que impediria as classes mais baixas de derrubá-los? Suas idéias políticas formaram o circo completo e saiu pela culatra de uma forma que ela não poderia ter previsto: Maria Antonieta queria parecer como os outros, e assim ela tornou-se como eles. 
Ironicamente o bastante, se Louis XVI tivesse tido uma amante, a vida de Maria Antonieta poderia eventualmente ter sido poupada. Os ataques viciosos geralmente reservados para uma amante caiu sobre seus ombros. De qualquer jeito, não havia ninguém para assumir a culpa, somente ela, e foi tida como tendo todo o poder - mesmo se fosse apenas uma ilusão. Foi uma ilusão que ela criou aos catorze anos, mas trabalhou muito mais do que qualquer um poderia ter imaginado e custou sua própria vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário