4 de set de 2017

The Song of Middle-earth (David Harvey)


Título: The song of Middle-earth: J.R.R.Tolkien's themes, symbols and myths
Autor: David Harvey
Editora HarperCollins Publishers, 157p.

Quais são os detalhes do pano de fundo histórico encontrado em O Senhor dos Anéis? Essa é uma das perguntas de David Harvey. Ele também manifesta sua insatisfação com o fato de que, apesar de Tolkien situar a história em um passado místico, a história da trilogia está situada no fim do ciclo (a queda do Um Anel retrata o fim daquele tempo) pouca coisa é encontrada nos apêndices dos livros que possam sanar a curiosidade, considerando que O Silmarillion foi publicado somente anos mais tarde e é o livro que traz mais informações sobre esse as épocas e personagens encontrados na trilogia.

I did not think that Tolkien's work was merely derivative - that he had examined other mythologies and extracted tales, elements and themes and plopped them into his creation. With great respect to the authors who have followed such a course, it is a simplistic one and unflattering to the creator. Nor did I think that mere critical comparisons with the earlier greats of English and European literature were wholly productive. There was something deeper and more meaningful to Middle-earth than that.

Insatisfeito também com a pouca literatura existente que analisem os mitos e lendas de onde Tolkien tirou seus embasamentos para criar seu mundo, David resolveu responder as próprias perguntas e o resultado é um livro que, examina os vários aspectos da mitologia nas obras de Tolkien.

A primeira coisa que o autor fala nesse livro é o sobre o que o levou a escrever, e eu repito que gosto quando, neste tipo de livro, os autores clarifiquem logo o que pretendem. Achei na internet e comecei a ler por mera curiosidade. Poderia ter gostado mais se não fosse a análise que ele faz dos maiores temas mitológicos presentes principalmente n’O Silmarillion, porque eu já vi em trabalhos acadêmicos observações bem mais aprofundadas. De qualquer forma, valeu para matar a curiosidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário