2 de out de 2010

The myth & symbolism in "The Little Mermaid" (Costume Chronicles) II

Outro artigo traduzido do webzine Costume Chronicles. Publicado no volume 6, 2009, esse artigo aborda a questão da mito que encontramos na história da pequena sereia e seu amor por um príncipe humano, história imortalizada pela Disney.

Another article translate from Costume Chronicles webzine. Published in vol. 6, 2009, this article addresses the myth that we find in the history of the little mermaid and her love for a human prince, story immortalized by Disney.

O mito e o simbolismo em A Pequena Sereia (The myth & symbolism in The Little Mermaid)
Autora (Author): Katie Slawson


Desde o início dos tempos, contos e folclore, mitologia e contos de fadas têm sido preenchidos por criaturas fantásticas e míticas, e desde o início até hoje temos contado estes contos encantados, de temíveis dragões que guardam cavernas escuras, uma Esfinge que pode deixar você viver se desvendar sua misteriosa idade, e de fadas que dançam em volta das clareiras à noite fazendo travessuras.
Mas nenhuma dessas criaturas tem encantado mais as pessoas quanto a sereia. Desde que o homem partiu pelo horizonte, ele voltou com histórias de sua beleza e a mitologia grega escreve sobre suas vozes assombradas crescendo em música, atraindo marinheiros para suas profundezas aquosas. A Odisséia de Homero conta como Ulisses amarrou a si mesmo ao mastro de seu navio para que pudesse ser capaz de ouvir sua música encantadora sem sofrer as conseqüências. No entanto, a mais lembrada, e talvez o retrato mais amado de uma sereia é de Hans Christian Anderson, A Pequena Sereia (Den Lille Havfrue em sua terra natal, em dinamarquês), que foi publicado no terceiro volume de seus Contos de Fadas para Crianças.
Na época, os contos de fadas serviam para educar as crianças sobre a moral e, normalmente, ensinava uma lição valiosa. Embora não se possa dizer que todos os contos de Anderson são completamente desprovidos de qualquer lição de moral, é verdade que os críticos na época, ocasionalmente, encontraram seu trabalho mal pensado, com várias de suas histórias mostrando um simbolismo um pouco confuso. É por esta razão que a interpretação de A Pequena Sereia confundiu os críticos durante anos. Alguns acreditam que é um conto pagão, enquanto outros vêem o simbolismo altamente religioso ser evidente. Ainda outros acreditam que a história transmite um olhar sobre as diferenças sobre as quais se apóia o amor entre homens e mulheres. Então, qual é a resposta? Existe uma resposta, ou no final é simplesmente isso – uma história sem ligações reais com o simbolismo?
É possível que a história poderia ser apenas para entreter. No entanto, deve-se notar que, mesmo que num nível inconsciente por parte de Anderson, existe uma grande dose de simbolismo cristão presente na história. A pequena sereia, caçula de seis filhas do Rei do Mar, anseia por viver na superfície. Cada sereia tem permissão para visitar a superfície ao atingir o seu décimo quinto aniversário, e como cada uma delas retorna para casa ano após ano com histórias de icebergs que brilham como diamantes e peixes que crescem em árvores, cidades cheias de atividade, crianças brincando nos córregos e o céu cheio de estrelas cintilantes, a pequena sereia anseia pela superfície mais do que nunca.
As irmãs também têm um fascínio por tudo que é humano, cada uma delas recolhe objetos caídos de destroços no mar. No entanto, à medida que cresciam, seus interesses por essas coisas diminuíam. Mas não para a pequeno sereia, que continua a passar seu tempo cuidando de seu jardim do mar e sentando sob a proteção de uma estátua de um homem que tinha ela tinha colocado lá. Há algo a ser dito sobre a determinação da jovem princesa. Sua luta e determinação, juntamente com a de suas irmãs, é semelhante ao do caminho com o qual muitos de nós amamos, esperamos e sonhamos, seja ele sobre nosso relacionamento com Deus, ou mesmo uma ambição que temos para o nosso futuro. Muitos de nós, assim como as outras princesas, superam seu amor pelo mundo humano, considerado fantasia de sua infância. A pequena princesa, no entanto, vê claramente que este mundo é o que ela quer e está determinada a nunca abandonar esse sonho.
Quando a pequena sereia faz quinze anos, ela finalmente vai para a superfície onde encontra um navio. As pessoas a bordo participando de uma festa maravilhosa e fogos de artifício iluminam o céu escuro. A pequena princesa observa o príncipe, para quem as comemorações são destinadas. Depois de assistir por algum tempo, uma tempestade se aproxima e o navio é lançado ao mar. A pequena sereia salva o príncipe, descobrindo que ele lembra muito a estátua em seu jardim. Deixando-o em segurança na praia, a pequena sereia observa em desespero quando outra mulher encontra-o e vem em seu socorro. Quando a jovem princesa pergunta a sua avó como os seres humanos morreriam se não podem se afogar em terra, a avó diz-lhe que os corpos dos seres humanos morrem, mas que suas almas vão para o céu onde vivem para sempre. Sereias têm uma vida útil de trezentos anos, mas após a sua morte viram espuma do mar. "Existe algo que eu possa fazer para ganhar uma alma imortal?" A Pequena Sereia pede, e assim começa sua verdadeira jornada. Seu sonho não é apenas se tornar humana, não apenas para se encontrar com o príncipe que ela salvou, mas ser capaz de viver eternamente no reino celestial. Sua sábia avó continua a explicar que se um ser humano amá-la o suficiente para casar com ela "[ele] daria a alma para você e manteria a dele também." Esta poderia ser uma alusão à Noiva de Cristo sendo a Igreja, e o fato de que o amor de Cristo e sua morte por nossos pecados é o que nos permitiu sermos salvos e entrarmos no céu.
A pequena sereia, determinada a obter uma alma imortal, visita uma feiticeira em busca de ajuda. A descrição de sua casa é infernal, como algo imaginado por Dante para o seu Inferno, sua casa é construída com ossos de seres humanos náufragos. Concordando em ajudar, ela dá a pequena sereia uma poção que irá transformar sua cauda em pernas, mas prometendo que “após a primeira manhã após [ele] se casar com outra, o seu coração vai quebrar, e você se tornará espuma na crista das ondas" e depois corta a língua da princesa, levando com ela a sua bela voz. Perder a voz é significativo, porque é a bela voz da sereia que atrai os marinheiros para a morte. Com ela, a pequena sereia certamente poderia usá-la para fazer o príncipe se casar com ela - sem isso, ela perdeu sua identidade e propósito como uma sereia.
Depois de tomar a poção, a cauda da sereia se transforma em duas pernas, e ela é finalmente encontrada pelo príncipe, que a adota como sua querida e amada amiga. Todos os que puseram os olhos nela ficam fascinados por sua beleza e graça. Ela dança mais perfeitamente que qualquer outra no reino, mas sua graça custa um preço ainda maior, pois cada passo que ela dá sobre a terra é como pisar em facas. Seus pés sangram muito, e ainda assim a pequena sereia ri, contente por ficar ao lado do príncipe, apesar da dor. Ainda assim, Anderson faz saber que, apesar do carinho do príncipe pela pequena sereia, "nunca entrou em sua cabeça fazê-la sua esposa:" Nesse ponto agora o simbolismo parece ter mudado, e por enquanto é a pequena sereia que assume o simbolismo de Cristo, enquanto o príncipe representa a raça humana. Então, muitas vezes estamos alheios ao que está em frente de nós: temos um Deus que perdoa os nossos pecados e nos ama incondicionalmente, e muitos de nós nunca paramos para prestar-lhe toda a atenção, ou para confiar n’Ele o suficiente para ter um relacionamento.
Quando o príncipe é convocado para visitar a princesa de um reino vizinho, na esperança de que ele goste dela o suficiente para casar, ele logo descobre que a princesa é a mesma menina que o encontrou na praia. Acreditando que esta menina tenha sido totalmente responsável por salvá-lo do naufrágio do navio, ele declara seu amor, assim como seu desejo de casar com ela. O simbolismo de Cristo continua na sereia que foi responsável por salvá-lo e não a princesa da praia. Tantas vezes nós olhamos para outras coisas na nossa vida para amar e ocupar o nosso tempo. Mas estas coisas não podem nos salvar, do mesmo modo que a menina da praia nunca salvou o príncipe. Somente Cristo, seu amor e sangue podem nos salvar – assim como o amor constante da pequena sereia que salva o príncipe do afogamento e se torna humana – seu sangue flui de seus pés a cada passo que ela dá em nome do amor.
O príncipe casa com a princesa, a quem ele acredita que deve sua vida. As irmãs da pequena sereia aparecem, com os cabelos cortados pela bruxa do mar (o cabelo é outro aspecto de renome das sereias, a beleza, e uma possível alusão religiosa para o corte de cabelo de Sansão), para contar a pequena sereia que se matar o príncipe com um punhal e deixar seu sangue escorrer em seus pés, ela volta a ser uma sereia. No entanto, quando vê seu amado adormecido pacificamente, ela é incapaz ir em frente e joga o punhal no oceano e, em seguida, se joga do navio, à espera de se tornar espuma do mar.
Quando passa um momento e ela não se sente como se estivesse morrendo, o simbolismo muda novamente outro mais confuso que é considerado por alguns críticos até mesmo ter sido adicionado como um epílogo para tornar a história mais triste. Uma voz aparece para a pequena sereia falando a ela sobre "as Filhas do Ar", que poderia ser melhor descrito como um estado purgatório. Se a pequena sereia se esforça para fazer boas ações por trezentos anos, eles serão recompensados com uma alma imortal. Assim, a pequena sereia tem viajado por três elementos: água, terra, ar. Em seguida, vem a lição final, que também parece ter sido adicionada como uma reflexão tardia. As filhas do ar podem obter uma alma em menos de trezentos anos se entrarem em uma casa e "encontrarem um bom filho, que é a alegria de seus pais e merece seu amor." Mas, se vêem "um impertinente ou uma criança má, nós derramamos lágrimas de tristeza, e para cada lágrima um dia é adicionado ao nosso tempo de provação".
É um estranho tipo de lição e, sinceramente, não faz muito sentido. No entanto, as crianças certamente entenderam a mensagem: se fossem boas, a pequena sereia obteria sua alma mais rapidamente. Apesar de sua mistura um pouco complicada e uma complexa mudança de imagens, a história foi, no entanto, amada por muitos, logo se tornando um clássico e, eventualmente, tornando-se ainda mais famosa quando ele foi transformado em filme de animação da Disney. Tão cativante é a história que uma estátua da pequena sereia reside na cidade natal de Anderson, Copenhagen. E lá fica a pequena sereia, empoleirada em cima de uma rocha, silenciosa e solitária, os olhos voltados para o mar adiante, sonhando com o dia em que ela vai obter uma alma imortal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário