23 de jul de 2011

A lesson in post-modernism: Becoming Lost in Austen (Costume Chronicles - Jane Austen Especial 2)


O último artigo do segundo volume especial de Jane Austen.

The last article from the second special volume about Jane Austen.

Uma lição no pós-modernismo: Becoming Lost in Jane Austen (A lesson in post-modernism: Becoming Lost in Austen)
Autora (Author): Lydia Watson


Você não pode negar: cada vez que você pega Orgulho e Preconceito e lê as primeiras linhas, você gostaria de alguma forma poder fazer parte dessa vida. Basta imaginar uma época onde bailes ocorrem frequentemente, não faltam homens jovens e oportunidades, e você sabe não só tocar piano, mas também cantar, dançar e desenhar. O mais importante, porém, é que Mr. Darcy seria real.
Mas e se sua entrada na história não significasse que você seria Lizzy Bennet, mas ainda você e ela não fizesse parte da história? Na produção da ITV, Lost in Austen, essa idéia é examinada.
O que torna o filme tão fascinante é o quão bem as diferentes idéias da Inglaterra regencial e do século XXI são transmitidas, uma vez que uma jovem em 1800 era muito diferente de uma jovem atual. Amanda Price, a heroína que troca de lugar com Elizabeth Bennet, é a imagem da moderna jovem britânica: ela vive com o namorado e tem todas as necessidades dos dias modernos, mas ainda anseia por um Mr. Darcy vir tirá-la do chão ... pois Mr. Darcy é algo que o namorado dela claramente não é.
Quando ela é levada para o mundo dos Bennet, Amanda acredita que está sendo trocada. Ela continua tentando usar seu telefone celular e até mesmo tem um flash de Lydia em certo ponto, na esperança de que o choque de fazer uma coisa dessas fará a equipe de filmagem aparecer de repente. Mas como nada muda e os personagens continuam chocados com seu comportamento e vestuário, Amanda deve aceitar o fato de que está realmente presa na Inglaterra regencial. É claro que uma menina moderna em um mundo antiquado é obrigada a criar algumas situações interessantes, e em muitos aspectos, isso é algo que os produtores fizeram bem. Tanto quanto você pode ter lido sobre Orgulho e Preconceito e a época, quando na verdade está diante do fato de ter que viver nele, você é obrigado a cometer erros, e são esses momentos ímpares que acrescentam humor e falta de jeito na história. Durante todo o tempo, Amanda está tentando descobrir como se certificar de que cada personagem se apaixone pela pessoa certa, com diferentes sucessos.
Seu primeiro grande erro ocorre durante o baile em que Bingley e Darcy compareceram. Amanda está determinada a se certificar de que Bingley dance com Jane, mas ao invés disso acaba por tê-lo muito mais ligado a ela, o que só torna-se mais problemático quando ela o beija depois de ter bebido muito. Isto leva a uma série de erros infelizes, como Bingley continuando a perseguir Amanda, apesar de seus melhores esforços para impedi-lo. Ela finalmente vai ao extremo quando confrontada por ele quando Jane está doente em Netherfield, dizendo-lhe que ela não está interessada em homens. Isso mais tarde volta para assombrá-la quando Caroline vem atrás dela. Isso representa a fusão do passado e do presente para criar uma idéia pós-moderna: Caroline teria sido realmente lésbica e Austen teria sequer presumido tal coisa? É seguro dizer que não, ela não teria. No entanto, quando se cria algo novo com algo velho, parece ser uma tendência acrescentar algo indevidamente chocante.
Através destas interações, vemos a diferença na vida de uma mulher moderna e uma da época da Regência. Não importa o que Amanda faça, ela continua a perturbar os eventos do livro ... e se apaixona por Mr. Darcy no processo. Se a consistência é um problema, há uma coisa que Lost in Austen é capaz de fazer bem: Mr. Darcy. Talvez porque tenha havido tantas versões de Darcy, ou porque ele é tão bem definido na mente do leitor, que não deixa de impressionar. Ele é bonito, indiferente, até gentil, com todos os atributos que se esperaria dele. Não é realmente uma surpresa que, tendo sido apaixonada por ele no livro, Amanda acabaria por se apaixonar por ele na vida real, mesmo que ela saiba que supostamente ele está apaixonado por Lizzy. Mas com Lizzy ausente, Amanda não tenta pará-lo. Na verdade, Darcy vai ao ponto de propor e ela aceita ... e em uma recriação da clássica cena favorita de todos da minissérie, ela o vê saindo de um lago no jardim de Pemberley, comentando ter passado por um “estranho momento pós-moderno”.
Na verdade toda a mini-série é um momento pós-moderno, a mistura do passado e do presente, mas ainda contém a moral e as noções da época anterior, incluindo complicações que surgem quando Darcy descobre que Amanda esteve com um homem antes.
De repente, Amanda é transportada de volta para a moderna Inglaterra, onde encontra Elizabeth trabalhando como babá. Lizzy não só está adaptada em sua nova vida, cortando o cabelo curto, ela também descobriu os romances de Jane Austen! Aqui vemos outra questão colocada em contraste com o passado: e se Lizzy entrou em nosso mundo com o mesmo espírito independente retratado nos livros? Como ela reage às nossas vidas? E será que ela quer voltar, depois de ter essa independência? Lost in Austen teoriza que ela estaria muito feliz no mundo moderno para querer voltar ao que conhece. Embora ela tente, e ainda conheça Mr. Darcy, ela ainda se encontra insatisfeita com sua vida passada. Quando Amanda volta a Longbourn do futuro, ela está triste com a forma de consertar as coisas, especialmente quando percebe que Lizzy e Darcy não têm nenhum interesse um no outro. No entanto, sob os auspícios de Lady Catherine de Bourgh, tudo está situado no mundo de Austen. Bem, quase tudo. Lizzy retorna à moderna Inglaterra, sob a bênção de seu pai, e Amanda viaja para Pemberley onde Mr. Darcy aceita-a uma segunda vez.
Muitas vezes, todas nós desejamos poder entrar em nosso livro favorito, ser o nosso personagem favorito e ser tiradas do chão por um herói bonitão. Lost in Austen maravilhosamente examina a idéia com voltas e reviravoltas que deixa o espectador atordoado e satisfeito. Embora não possa ser assim para o grave purista de Austen, muitos que gostam de Austen apreciarão esta nova adaptação de um clássico favorito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário